Home / Informações / Como reduzir as dívidas do cartão de crédito?

Os portugueses estão cada vez mais endividados e a lutarem afincadamente contra as dificuldades económicas, que teimam em agravar-se. Os ordenados não sobem, mas aumenta o custo de vida e as situações vão-se agudizando de dia para dia. Esta é uma realidade vivida por milhões de cidadãos, que viram novamente agravada carga fiscal, que foi revista e actualizada, para cima, pelo Governo. Por isso, é importante começar a tomar medidas ao nível do orçamento mensal, nomeadamente para cortar em tudo o que se deve diminuir, a começar desde já pelas obrigações do cartão de crédito. Nesse sentido, registe as dicas que passamos a enunciar e inicie já o desafogo da sua carteira, reduzindo os custos com o seu cartão de crédito.

Cuidado com o cash advance pois as taxas aplicadas a este serviço são substancialmente superiores às cobradas em compras directas com o cartão de crédito. Na maioria dos casos, chega mesmo a ser abusadora a percentagem que é colectada pelas entidades detentoras do cartão. Portanto, informe-se devidamente das despesas e percentagens impostas ao levantamento de dinheiro em adiantado, usando-o apenas como derradeiro recurso, só mesmo quando não houver outra opção mais viável e económica;

– Tenha atenção às comissões que os bancos e entidades credoras exigem em cada produto ou serviço que use associado ao cartão de crédito, pois estas empresas não trabalham de graça e cobram-se bem dos préstimos aos seus clientes. Sempre que pagar uma determinada quantia, levantar um montante ou realizar qualquer pagamento ou transacção com o cartão de crédito, faça-o em pleno conhecimento dos gastos que isso implica (TAEG, TAN, juros…). Esta acção só é possível quando se leu o contrato na totalidade, incluindo as letras minúsculas e quase dissimuladas ao longo do documento;

Nunca pague a mensalidade mínima do crédito, opte sempre que possível por uma próxima da mais alta, pois quanto menor for a prestação, mais caro lhe acabará por sair o crédito. O melhor é mesmo usufruir do prazo de liquidação do valor em dívida sem juros, que geralmente oscila entre os 20 e 55 dias. Desta forma, poderá comprar agora e pagar depois, sem que lhe sejam cobradas excessivas comissões;

Pesquise continuamente o mercado há procura de melhores alternativas de crédito em relação àquela que detém na actualidade. Por vezes existem excelentes oportunidades devido a campanhas que são lançadas pontualmente, pelo que as vantagens destas merecer ser avaliadas no sentido de se verificar a maior conveniência de trocar de entidade credora. Mas ao mudar, não se esqueça de ponderar tudo o que lhe está associado, pois muitas vezes a mesma empresa onde está o cartão de crédito tem igualmente os seguros, o crédito à habitação, o crédito automóvel e outros serviços. Nestes casos, a opção de consolidação, que será a que já possui, costuma ser mais vantajosa. Ainda assim, pressione o seu credor com uma eventual nova proposta e peça uma contra-proposta, porque poderá vir a ganhar com isso.

Estes quatro conselhos são um passo muito importante para conseguir obter o controlo sobre o cartão de crédito e ganhar mais segurança financeira, sem abdicar deste que é um excelente método de financiamento. Contudo, a sua utilização resulta somente quando é responsável, a começar pelo estabelecimento de um limite de crédito ajustado às suas possibilidades, precedido pela selecção do cartão de crédito que mais vantagens oferece, tendo em conta as suas necessidades. Concretizadas estas duas tarefas e seguidos os concelhos acima mencionados, está-se no bom caminho para uma estável situação económica.

 

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *