Home / Dicas para poupar / Conselhos para poupar nos seguros

Actualmente os portugueses têm cada vez mais orçamentos reduzidos, o que lhes dá poupa margem de manobra para extras e mesmo para o obrigatório, como determinados seguros. Por isso, todas as formas de poupar são bem-vindas e devem ser aproveitadas ao máximo. Nesse sentido, seguem-se 10 dicas para conseguir poupar nos seus seguros.

1. Informe-se o que significam os conceitos e escolha apenas o que é necessário. Na maioria das vezes, uma expressão “pomposa” não passa disso mesmo, não acarretando absolutamente nada em termos de vantagens, apenas vem acrescer mais uns euros ao seguro. Para evitar estes casos, pesquise a terminologia utilizada no mundo dos seguros para ganhar à-vontade suficiente nesse campo;

2. Pague o seguro anualmente e não em prestações mensais, trimestrais ou semestrais, porque isso implica que o valor do prémio seja mais caro. As mensalidades podem custar menos a liquidar, mas a quantia total é substancialmente mais elevada;

3. Não duplique coberturas de que já dispõe em outras apólices. Alguns cartões de crédito e seguros de casa cobrem determinados riscos, que muitas vezes outros seguros duplicam, mas podem ser eliminados, permitindo assim alguma poupança;

4. Elimine todas as coberturas opcionais desnecessárias que não lhe trazem nenhuma vantagem. Há muitos extras completamente desnecessários que estão por defeito nas apólices e sobre os quais se paga. Leia atentamente o contrato e “mande-os dar uma volta”, pois o corte nestes que são supérfluos é uma das melhores formas para alcançar preços acessíveis;

5. Tenha atenção às franquias e opte, sempre que obrigatório, pela mais cara. Irá pagar mais ao activar o seguro inicialmente, mas o valor anual será mais reduzido, dando-lhe assim um retorno que lhe compensa mais;

6. Peça contra-propostas às diversas seguradoras, não esquecendo as low-cost que operam na internet e por telefone, como a Logo, Seguro Directo e Ok!Teleseguros. Os custos inerentes à sua estrutura organizativa são mais baixos, por isso, podem oferecer melhores preços. Não é ao acaso que Associação Portuguesa para a defesa dos consumidores (DECO) escolheu a OK!Teleseguros para estabelecer uma apólice auto;

7. Consulte vários intermediários de seguros porque é possível sair a ganhar com isso. Ser um mediador a tratar do processo elimina uma série de custos que as seguradoras têm, o que torna mais fácil apresentar boas propostas. Além disso, poucos são aqueles que trabalham com apenas uma empresa, o que lhes dá margem de manobra maior para lhe conseguir o melhor preço;

8. Esteja de olho nas promoções que as seguradoras vão oferecendo ao longo do ano. Há diversas vantagens em campanhas pontuais, que são largamente publicitadas. Informe-se sobre o que implicam e aquilo que oferecem, analisando se lhe compensam. Se esse for o caso, avance;

9. Os seguros consolidados são sempre uma opção a considerar. Se tem várias apólices em entidades diferentes, considere juntá-las na mesma empresa, questionando esta sobre o que lhe oferecem se realizar esta operação. A grande maioria das vezes é bem mais vantajoso, por isso, não perca esta oportunidade;

10. Não declare informações falsas para obter benefícios, porque isso irá sair-lhe caro no futuro. Ao serem descobertos, a prestação de dados falsos implica o pagamento de todos os bónus conseguidos com a fraude, além se uma possível acção judicial, se a seguradora assim desejar proceder.

Embora apenas dois seguros sejam obrigatórios, o seguro automóvel e contra incêndio, outros há que são necessários para a contratação de serviços vários, como acontece com o seguro de vida, indispensável para obter crédito à habitação e alguns cartões de crédito. Por isso, é provável que terá que despender de boa parte do seu rendimento anual para os seguros, pelo que vale a pena seguir os conselhos anteriores para adquirir a apólice mais vantajosa, que por vezes não é a mais barata.

 

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *